João Luís Gaspar foi eleito Reitor da Universidade dos Açores, em fevereiro de 2014, cargo que ocupa atualmente. É Professor Associado com Agregação do Departamento de Geociências da Universidade dos Açores e pesquisador no Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos. Possui o doutoramento em Vulcanologia, pela Universidade dos Açores, e uma graduação em Geologia, pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
Foi diretor do Departamento de Geociências da Universidade dos Açores e Diretor do Centro de Vulcanologia e Avaliação de Riscos Geológicos, uma unidade de pesquisa, visando o desenvolvimento da ciência e tecnologia no domínio da Vulcanologia e áreas afins, a fim de compreender os fenómenos vulcanológicos e avaliar os riscos associados direta ou indiretamente. Foi também Diretor Executivo do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) e mantém atualmente a coordenação da unidade de Gestão de Crises e Mecanismos de Resposta para Situações de Emergência, a qual presta assessoria ao Serviço de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA). Neste contexto, tem acompanhado várias situações de crise relacionadas com sismos, erupções vulcânicas, processos de desgaseificação, deslizamentos de terra e inundações, nos Açores, em Portugal e no estrangeiro.
Entre 2004 e 2008 ocupou os cargos de Diretor Regional da Ciência e Tecnologia, do 9º Governo Regional dos Açores, e de Presidente do Fundo Regional da Ciência e Tecnologia. Neste contexto, foi responsável pela infraestrutura tecnológica e de comunicação de dados do sistema do Governo Regional dos Açores, pela criação do Sistema Científico e Tecnológico Regional dos Açores e pelo lançamento do primeiro Plano Integrado para a Ciência, Tecnologia e Inovação. Presidiu à Comissão Instaladora do Instituto Europeu de Biomedicina e Biotecnologia e projetou o projeto para a construção do Parque Tecnológico de S. Miguel, destinado a promover empresas que trabalhem nas áreas de Informação, Comunicação e Tecnologias de Monitorização.
Em 2001 foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem de Mérito, pelo Presidente da República Portuguesa, pelo seu trabalho na avaliação de riscos geológicos e assessoria em matérias de proteção civil. Nesse mesmo ano, recebeu um Louvor do Instituto de Meteorologia. Em 2011 recebeu o prémio de Personalidade SIG do Ano, concedido pela ESRI Portugal, pelo seu papel no desenvolvimento de projetos com base em sistemas de informação geográfica nos domínios da vulcanologia, sismologia, proteção civil, ordenamento do território e recursos hídricos.